sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Amadeus Amado - Poema


Peregrino




Dá-me a tua mão,
não sei ao certo
para onde iremos,
tampouco o que nos espera.
Vivamos a incerteza
desta noite de utopia.
Saiamos de mãos dadas,
sigamos a rota do teu olhar,
a sombra do vento,
os velados caminhos
dessa aventura.



In. A Flor Amena da Madrugada.
Imagem retirada da Internet: Mãos dadas