quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Wender Montenegro - Poema











ABSTRATO EM LUZ E MEDO




O medo é a alma dizendo onde dói
pássaro conduzindo léguas
sob asas feridas.

É grito de Munch sangrando a moldura
expressão da face à beira-morte
quando um anjo anuncia o delírio.

É o temor do cântaro ao desuso
jardins plenos de sede e gerânios
cardumes de espectros
pescando crendices nos rios da noite.

Há mel e fé na colmeia do medo
e os anjos terríveis de Rilke
pintam de ferrugem cada luz e riso
semeiam gerânios sobre cada grito.



Imagem retirada da Internet: Olho