terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Marinalva Rego Barros - Poema


TRILHA



Os caminhos do teu endereço

São cheios de esquinas,

A estrada que conheço

Margeava um rio que partiu

E minha bússola,

Feita de amor antigo,

É hoje inexata.


Peço novas senhas:

Lamparinas na janela

Jasmineiro no portão

E um código secreto

Que só meu coração conheça.


Andarei por tua casa

Com sandálias de algodão

E farei um poema

Terno e pungente,

Como convém a um amor antigo

Bordado de ausências.


Imagem retirada da Internet: Lamparina