sábado, 20 de novembro de 2010

Célio Pedreira - Poema



20 de novembro, Dia da Consciência Negra




NOTÍCIA PARA OS DIAS




Algumas mudas de pedras plantadas
para dar moradia a monumentos
e regadas de ontem
nunca floram.

Ao meu lado andam
vivas flores e perenes
que tempo nenhum
piedade nenhuma
nem leis
predem.


Habitam-me séculos delas.




Imagem retirada da Internet: consciência negra