segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Alexandre Bonafim - Poema


Celebração das marés


“Longe o marinheiro tem
Uma serena praia de mãos puras”

Sophia de Mello Breyner Andresen

IV



Do cerne dos oceanos, do fecundo ventre da noite,

nasce seu peito tatuado pela força das âncoras,

pela fúria dos cavalos marinhos.

Sua pátria sempre foi os relâmpagos,

o sal, o trêmulo pergaminho dos vendavais.

Há milênios ele se perdeu de toda terra.

Há séculos seu andar tem a leveza

das quilhas sobre as ondas,

das velas despidas pelo sal.

Por isso seu destino sempre se quebrou contra as marés,

contra a amplidão das águas sem nome.

Por isso seu barco sempre se partiu contra o infinito,

contra o nascimento do mundo.

O marinheiro mora em antigas tempestades.

De tanto queimar o rosto nas ondas,

seus olhos vestiram o êxtase dos cardumes cegos,

dos corais inundados de luz.

De longe, de muito longe ele vem...

Uma cicatriz corta-lhe o rosto:

relâmpago, ninho de enguias.

Uma cicatriz corta-lha a vida,

o coração, o seu destino inteiro:

faca de fina luz a singrar

os sonhos, a inocência.

Desertos sedentos, sequidão de ossos,

ardem seu cerne, corroem seus desejos.

Por isso a errância é sua campa, seu jazigo.

Por isso lugar nenhum é seu túmulo.

A vida espoca em suas vísceras,

com a lucidez dos ácidos agudos.

A vida é-lhe a urgência do salto,

do grito das águas, do urro das ondas.

De longe, de muito longe ele vem...

Ele teve o braço quebrado pelas chuvas,

a boca cinzelada pelas maresias.

Todo o oceano adormece em suas pálpebras.

Todas as procelas pousam em seus pulsos.

Ele tem o dom das luas cheias,

o estigma das constelações desnudas.

Do fecundo ventre dos oceanos, do cerne da noite,

nasce seu sêmen fustigado pela violência dos astros,

pela febre das estrelas marinhas.

Nos seus flancos veleiros ardem os pontos cardeais,

a embriaguez das gaivotas consumidas pelo azul.

Por isso sua pele sempre se desnuda nos nascimentos,

nas celebrações súbitas.

Por isso seu corpo sempre se nomeia no orgasmo das rebentações,

na ardências das águas vivas.

De longe, de muito longe ele vem...

As fatalidades navegam em seus ombros.

Os desastres apunhalam seu nome.

Toda a sua luta sempre foi fitar a morte de frente,

como quem acalanta um criança jamais nascida.

De longe, de muito longe ele vem...


Imagem retirada da Internet:arpão