quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Carlos Moisés Soglia de Melo - Poema


GALOPE


Minhas mãos feitas de garças
agarram-se à saia do Universo:
cavaleiro, galopo estrelas




Ontologia do poema, segundo José Inácio Vieira de Melo:

Era uma vez, Moisés, Gabriel e eu galopando dentro da tarde – meus filhos e eu entrando na boca da noite. Passamos num açude para dar água aos nossos cavalos. E havia uma árvore cheia de garças, e as estrelas começavam a brilhar no firmamento. Foi quando Moisés trouxe para nós o seu poema “Galope”. E seguimos galopando, noite adentro.



Carlos Moisés Soglia de Melo, 10 anos, é filho do poeta/amigo José Inácio Vieira de Melo.

Imagem retirada da Internet: cavalo