terça-feira, 21 de setembro de 2010

Paulo Henriques Brito - Poema



elogio do mal





1


A uma certa distância

todas as formas são boas.

Em cada coisa, um desvão;

em cada desvão não há nada.

À mão direita, a explicação

perfeita das coisas. À esquerda,

a certeza do inútil de tudo.

Ter duas mãos é muito pouco.

Por isso, por isso os nomes,

os nomes que embebem o mundo,

e os verbos se fazem carne,

e os adjetivos bárbaros.


2


O mundo se gasta aos poucos.

A coisa se basta a si mesma,

mas não basta ao que pensa

um mundo atulhado de coisas

que se apagam sem pudor,

que se deixam dissipar

como quem não quer nada.

Existir é muito pouco.

Por isso, por isso os nomes,

os nomes que se engastam nas coisas

e sugam o sangue de tudo

e sobrevivem ao bagaço

e negam a tudo o direito

de só durar o que é duro,

e roubam do mundo a paz

de não querer dizer nada.


3


Bendita a boca,

essa ferida funda e má.




In.Antônio Miranda

Imagem retirada da Internet:mãos