quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Brasigóis Felício - Ensaio curto


A glória de criar galinhas



“Muito da literatura não vale um dente de alho”. Se a matéria da literatura não pulsa, e se não sangra, a tão glorificada criação não teria a dignidade que pode ter uma criação de galinhas. Compartilho com o pensamento de Raduan Nassar, um escritor genial, que renunciou à literatura, depois de consagrar-se, com a publicação de Lavoura arcaica e Um copo de cólera. Penso que os escritores e artistas, em geral (e aí eu me incluo) padecem de enxurrilho e incontinência verbo-borral, e danam a produzir livros, quadros e músicas às pencas, sendo a maioria repetição do já feito, e de qualidade bem chinfrin, depois de haverem criado o que neles foi um instante de beleza e perfeição, em que a forma entrou em acordo com o conteúdo.


As pessoas que se dizem artistas deveriam ter o senso da prudência e parar quando tenham atingido o seu auge. Gênios da literatura, depois de produzir obras canônicas e culminantes, de repente, não mais que de repente, param de produzir. Não são acometidos de remorsos ou dramaticidades. Já o contrário não acontece com a chusma das mediocridades. Produzem por vício ou no piloto automático, numa compulsão de doença. O que atropela o bom senso, e atravessa o samba, não é o buraco no fole da sanfona, mas a cilada do facilitário. Por não encontrarem dificuldades em exercitar sua mediocridade, e por terem abundante leitorado sintonizado com a mediania, seguem a diluir a si mesmos, aviando a mesma interminável receita, como certos mendigos de rua.


Não é preciso ir e olhar muito longe para se aquilatar o quanto a desmedida e até mesmo o sucesso vem matando ou diluindo a produção de muitos de nossos melhores artistas e escritores que trabalham em Goiás, ou em outros lugares mais cotados. Não citarei nomes; para não dizerem que só tenho olhos para enxergar a abundância alheia, falo de mim mesmo. Reconheço que sou um caso de produção compulsiva, que sai em jorros, como se eu não pudesse não escrever. Muitos são os que dizem ser o Hotel do tempo, publicado em 82, o melhor livro de poesia já saído da minha lavoura de palavras.


Em prosa, até hoje citam como momentos mais densos e verdadeiros, o Diários de André, livro censurado pela ditadura militar, em 1975, que agora relanço, em nova versão, e Monólogos da angústia, livro de contos indicado para o vestibular da UFG. Deveria ter parado aí mas, acreditando poder escrever algo melhor, continuei parindo livro após livro, sem atingir o nível daqueles. Van Gogh talvez tenha tido a trágica sorte de morrer muito cedo, depois de, movido pelo sofrimento e o desespero, produzir uma arte imortal. Ele próprio teve consciência dos riscos que correm os artistas, ao repetir a si mesmo, tornando-se menores do que são quando escreveu, em carta a Théo: “A arte é um combate. Na arte é preciso dar o sangue. Eu preferiria não dizer nada, do que me exprimir frouxamente”.


Ao participar de uma Bienal do Livro, em São Paulo, e lá pude ver o quanto de lixo literário as editoras estão empurrando ao mercado. Agora, na Bienal do Livro, no Rio de Janeiro, vi a situação periclitar mais ainda – se antes era o lixo da sub-literatura o que editoras apresentavam ao leitorado, agora nem de tal enxurrilho se trata mais – autores nem são mais levados em conta. Agora trata-se de apresentar obras presepadas sobre personas & celebridades, tratando adultos como se fossem crianças, “treinando” crianças para o encantamento com a aventura de ler estimulando as primitivas camadas do cérebro batraquiano, que interessa-se tão somente por aquilo que se pode perceber estando em movimento.


Se antes poetinhas municipais, que têm grana para alugar um stand, junto a outros, escribas federais, com direito a tirar ouro do nariz por artes e malazartes de coxas & alcovas, e outras cochambrações, impingiam seus vagidos egolátricos aos incautos, hoje nem isto se vê mais. E o que foi deplorável, em face do avançar da calamidade, passa a despertar inveja e saudade. Enquanto pouco nada de bom e verdadeiro surge entre os ditos “novos valores”, paira, como nuvem de sombria mesmice, a impressão que fica, no entanto, é a de que muitos, dentre os que eram bons, uma vez corrompidos pelo Deus monetário do mercado, que lhes exige um besteirol por ano, deveriam ter parado, a bem de sua própria história, em prol da literatura, e rarefeito leitorado que ainda existe, em nosso tempo impregnado de mídias indutoras da alienação e do vazio.


No mais, é como escreveu Raduan Nassar, quando abandonou a literatura, por não acreditar que ela possa expressar o mistério da vida: “Hoje, finalmente, estou perto de realizar o que mais queria, quando criança: criador! Nada a ver, é claro, com a auto-suficiência exclusiva dos artistas (Deus os tenha!), que estou falando simplesmente em criador de bichos. Aliás, já suspeitei, mais de uma vez, que não há criação artística que se compare a uma criação de galinhas”. ´Se tal declaração não bastar, para explicar o chá de sumiço que deu a si mesmo, como resposta a seu desencanto com as pessoas, a literatura e a realidade tal como a construímos, Raduan falou: “Fiz um acordo com o mundo. Em troca de seu barulho, dou-lhe o meu silêncio”.


Imagem retirada da Internet: Livro