terça-feira, 24 de agosto de 2010

O Gado de Deus, de Valdivino Braz

Hoje, no Pop House, O Poeta Valdivino autografa seu romance "O Gado de Deus" Rua 1.145, nº 228 – Setor Marista – Nos fundos do Batalhão de Choque da PM. Via de referência: Av. Ricardo Paranhos





Enredos de vidas



O romance que se intenta, experimental, subliminar, alinhava-se com narrativas em função de um feixe fragmentário, mais no sentido mnemônico de espaço e tempo rarefeitos do que de uma trama linear ou nitidamente cronológica. As peças montadas num canhestro mosaico de contexto narrativo. Constitui-se um liame que une as partes e o todo a si mesmo, o caos e o cosmos, enredo e arremedo, como a colcha de retalhos da bandeira de Pátria, a terra-personagem que a tudo engloba, e ali o rio do tempo em que a vida se leva por meandros e metáforas, a par com metonímias topográficas e um rastro de sangue que se alastra pela terra bruta, escalavrada pelos cascos cortantes das bestas de comando e, por sua vez, das bestas de cabestro. O rio feito linha de carretel na agulha, alinhavando no tecido um enredo de vidas. Todas as curvas do rio. Os fios do real cerzindo gerúndios do pano de fundo com o que se tece do imaginário. Farsa. Figuras. Daí o texto como se pretende, mais pela globalidade contextual e menos pelo gênero literário (im)propriamente dito.



In. O Gado de Deus
Foto by Flávio Isaac