sexta-feira, 2 de julho de 2010

Francisco Perna Filho - Poema



para meu pai






GENEALOGIA



Aprendi a esperar as estações,
como o palhaço que divisa a platéia do picadeiro:
um semblante triste,
um olhar enviesado,
um sacrifício de espera.
Sorrir da própria dor,
até que todos venham
e lotem o vazio de suas almas.
Tudo se consome de alguma forma,
e o que sobra são os bancos vazios das estações,
rodoviárias e aeroportos.
O avô do meu avô,
assim como o meu avô
e o meu pai,
morreu do coração.
Eu fui poupado,
Nasci poeta.


In. Revista Poesia Sempre. Nº 31, ANO 16,Rio de Janeiro: BIBLIOTECA NACIONAL, 2009.

Imagem retirada da Internet: by Rita Angel A Espera