segunda-feira, 21 de junho de 2010

Flávio Carneiro - Conto

Flávio Carneiro nasceu em Goiânia, em 1962, e mudou-se para o Rio de Janeiro no início dos anos 80. Desde 2003, mora em Teresópolis, região serrana do estado. Escritor, crítico literário, roteirista e professor de literatura da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), publicou doze livros e escreveu dois roteiros para cinema. Como ficcionista, é autor de um livro de contos, três romances e cinco novelas para crianças e jovens. Participou também de algumas antologias, como Os cem menores contos brasileiros do século(São Paulo: Ateliê, 2004, org.: Marcelino Freire), com o mini-conto "Na sala de espelhos", e 22 contistas em campo (Rio de Janeiro: Ediouro, 2006, org. Flávio Moreira da Costa), com o conto "Penalidade Máxima". Como ensaísta, é autor de dois livros e diversos artigos em revistas especializadas. De 2000 a 2007, foi colaborador regular dos suplementos literários do jornal O Globo (caderno Prosa & Verso) e Jornal do Brasil (caderno Idéias), com os quais ainda colabora esporadicamente. É co-roteirista, em parceria com Adriana Lisboa e André Sturm, do filme Bodas de Papel, vencedor do Prêmio Especial do Júri do Festival de Cinema de Pernambuco, em 2008 (mais informações sobre o filme na sessão OBRAS). Escreveu também, com Adolfo Lachtermacher, o roteiro do curta-metragem A noite do capitão, com lançamento previsto para 2010.



Aprendizagem



– Mãe, cabelo demora quanto tempo pra crescer?

– Hã?

– Se eu cortar meu cabelo hoje, quando é que ele vai crescer de novo?

– Cabelo está sempre crescendo, Beatriz. É que nem unha.

A comparação deixa a menina meio confusa. Ela não está preocupada com unhas.

– Todo dia, mãe?

– É, só que a gente não repara.

– Por quê?

– Porque as pessoas têm mais o que fazer, não acha?

A menina não sabe se essa é uma pergunta do tipo que precisa ser respondida ou é daquelas que a gente ouve e pronto. Prefere não responder.

– Você é muito ocupada, não é, mãe?

– Hã?

– Nada, não.

A mãe termina de passar a roupa e vai guardando tudo no armário.

Enquanto isso, Beatriz corre até o quartinho de costura, pega a fita métrica e mede novamente o cabelo da boneca. Ela tinha cortado aquele cabelo com todo o cuidado do mundo, pra ficar parecido com o da mãe, mas a verdade é que ficou meio torto.

"Nada, não cresceu nada", ela conclui, guardando a fita. E já tem uma semana!

Depois volta para onde está a mãe, que agora lustra os móveis.

– Mãe, existe alguma doença que faz o cabelo da gente não crescer?

– Mas de novo essa conversa de cabelo! Não tem outra coisa pra pensar não, criatura?

Sobre essa pergunta não há dúvida: é do tipo que você não deve responder.

A mãe continua trabalhando. Precisa se apressar. Dali a pouco a patroa chega da rua e o almoço nem está pronto ainda.

– Mãe!

– O que foi?

– É que eu estava aqui pensando.

– Pensando o quê?

Beatriz não responde. Espera um pouco, tentando achar as palavras certas.

– Vai, fala logo.

– Quando a gente faz uma coisa, sabe, e não dá mais para voltar atrás, entendeu?

– Não, não entendi.

Ela abaixa a cabeça, dá um tempinho e resolve arriscar:

– Então, se você não entendeu, posso continuar perguntando sobre cabelo?

– Ai, meu Deus!

Beatriz deixa a mãe trabalhando e vai procurar de novo sua boneca.

Pega a boneca no colo e diz no ouvido dela:

– Não liga, não. Cabelo de boneca é assim mesmo, cresce devagar, viu?

E com um carinho:

– Foi minha mãe que me ensinou.



Fonte Revista Nova Escola
Foto by Adriana Lisboa