domingo, 20 de junho de 2010

Célio Pedreira - Poema


ARRANCHO


Dia que a gente precisa ser ipueira
lavar as minúcias
depor as margens
esconjurar estreitos.

Dia que precisa vir sem divulgar
perder tempo em nada
esbarrar nos derradeiros
encontrar nós.

Dia de bestagens
alargar os efeitos
malinar nas gasturas
judiar sem doer
precisa.


Imagem retirada da Internet: sertanejo