domingo, 6 de junho de 2010

Adélia Prado - Poema

















Objeto de Amar





De tal ordem é e tão precioso
o que devo dizer-lhes
que não posso guardá-lo
sem que me oprima a sensação de um roubo:
cu é lindo!

Fazei o que puderdes com esta dádiva.
Quanto a mim dou graças
pelo que agora sei
e, mais que perdôo, eu amo.



Imagem retirada da Internet: Adélia Prado