sábado, 29 de maio de 2010

Francisco Perna Filho - ensaio curto

sonhar.jpg image by Marota

AETERNUM


Por Francisco Perna Filho



Ruidosos de tempo e prisioneiros das próprias sentenças, ao dispararem os seus ponteiros irrefletidamente e se repetirem em realidades tão diversas, os relógios nos dizem muito do embaraço da nossa existência.

O tempo explica tudo, a despeito de qualquer pacto ou sentimento; de qualquer nobreza ou oligarquia. Às vezes é preciso aquietar-se para ouvir os seus murmúrios, os seus sinais, embora muitos não se mostrem sensíveis a isso ou, de outro modo, não durem o suficiente para testemunhá-lo.

O agora está estampado - neste exato momento - tão óbvio quanto esta afirmação, e é por ele que comprovamos o que antes se nos apresentava como improvável, absurdo, irrealizável. Tudo às claras, medonhamente plausível: a materialização da nossa insuportável espera, da constatação da nossa perecibilidade.

Talvez com os anos tenhamos a certeza de que o futuro é uma invenção, não chegaremos nunca a ele. O presente é o que somos, modelados à forma do nosso passado, das nossas recordações. Tão somente existimos, e existimos porque lembramos, porque somos capazes de nos convencer da unicidade do tempo, da fluência de suas teias a enredar a nossa ilusão, a magia da nossa permanência.

Nada passa incólume ao tempo, nada dele se esconde, muito embora tantos tentem provar o contrário: que os digam os potes de Renew, Cronos, Neutrogena, substâncias retardadoras do envelhecimento, abrandadoras das rachaduras da pele, restauradoras das nossas ilusões. Nada disso cicatriza as erosões da alma.

O que sabemos da vida, a não ser que a possuímos até perdê-la. Melhor dizendo, como encaramos o nosso dia-a-dia e refletimos o nosso modo de existir? Não estaríamos distantes demais daquilo que seria considerado ideal para um ser humano?

Se a morte é a única certeza que nós temos com relação ao futuro, o que nos parece óbvio, a ausência que ela provoca pode ser relativa, ou melhor, o que se supõe como fim, pode ser apenas o começo de uma perpetuação.

O ápice do amor é a morte, diz George Bataille, no seu livro O Erotismo, já que, para que se tenha vida, é preciso que outros seres morram, e isso só se dá no paroxismo do amor, aqui entendido como a força de Eros: vida, em oposição a Thanatos, morte.

Tudo o que temos ou fazemos agora, sem sombra de dúvida, amanhã será lembrança, e seremos lembrados na mesma proporção das nossas ações, dos nossos acordos, dos nossos desatinos. O que diferencia uma manhã de sol de uma manhã de chuva é apenas a forma como elas se mostram, as manhãs continuarão sempre manhãs, até que anoiteça, e elas serão apenas lembranças, como o são: O 11 de setembro, O massacre no Iraque, O acidente de Chernobyl, a desencapsulação do Césio 137. Numa linguagem mais moderna, o passado nos forMATA.

Tudo o que vemos e assistimos, talvez nos permita sonhar. Sonhar com um tempo de paz e consciência, quando os homens não mais brigarão pelo poder. Quando a força da grana, das imposições religiosas, das ideologias opressoras, não mais nos afrontará. Quando os homens, libertos de qualquer opressão, passearão livres pelas palavras e com elas comporão os seus países, as suas cidades, os seus jardins, sorverão o perfume das dálias, madressilvas, hibiscos e jasmins.


Imagem retirada da Internet: tempo