sábado, 10 de abril de 2010

Francisco Perna Filho - Poema







Para Rosana Carneiro Tavares







VISITAÇÃO



Quando os meus olhos
já cansados de tantas buscas,
amarrados por um certo tempo a uma linha qualquer
perdida no caos do porto,
eu, aflito e insone,
perpetuando as mágoas
de um marinheiro afoito ante o mar tão caudaloso,
revivo nos teus olhos a paz tão procurada
e deposito no teu corpo a agonia de tantas noites perdidas,
na incessante procura de quem habita os bares de fuga e
canto.

E eu, um homem só,
sem coragem de voz
e congelado na inércia deste apartamento,
aliviado pelo barulho insípido da chuva que chora
compassadamente,
na compreensão dos gritos e soluços,
que maquinalmente eu não consigo emitir,
uno-me aos teus passos
e no movimento do teu corpo redescubro a vida
há tanto desaconselhada ao meu irresoluto ser.

E agora,
com a paz que os teus olhos me trouxeram,
irmanada pela vida redescoberta no meu ser,
restabeleço-me com a força dos teus passos,
aos passeios de vento e vela,
e durmo o sono adolescente,
para reinventar uma nova manhã
de pesca,
barco
e mar.


In.Visgo Ilusório. Goiânia:Kelps/PucGoiás, 2009, p.35-36.
Imagem retirada da Internet: Cais do porto