terça-feira, 30 de março de 2010

Célio Pedreira - Poema


Nascido em Porto Nacional, no Estado do Tocantins, Célio Pedreira é uma das nossas mais autênticas vozes poéticas. Sem artificialismos poéticos, consegue traduzir o substrato tocantino com leveza e muito lirismo. Transitando muito bem pelos gêneros textuais, não se deixa aprisionar pelos modismos, pela pressa em publicar. O seu compromisso é com a poesia, com a natureza e com a cultura do Tocantins.




VILA COVALESCENÇA


As dobras das tardes
invadindo os hábitos
das calçadas viventes
feito tarefa de moça
a ocultar-se.

Sobras de olhar
e mãos desprovidas
cadeira sem espaldar
conversas dormidas.

Tomo posse da vista
para o benefício da comoção
posto que sou encarregado
em bocados de portos.


Imagem retirada da Internet: Olhar