segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Delermando Vieira - Poema





Delermando Vieira




Nasceu em Caldas Novas, GO, no dia 15 de fevereiro de 1950. Fez os estudos no Grupo Damiana da Cunha, Colégio Estadual Professor Pedro Gomes e Escola Técnica de Comércio de Campinas. Cursou Direito na Universidade Federal de Goiás. Professor de Literatura, é formado em Língua Espanhola pela Universidade Católica de Goiás. Membro da Academia Goiana de Letras e da Academia de Letras e Artes de Caldas Novas. Possui inúmeras premiações literárias. Fez cursos e pesquisas no campo da Cabala e Demonologia, que acabaram influenciando a sua poesia, dando ao seu estilo uma “inclinação metafísica”, na análise de Darcy França Denófrio. Seus primeiros livros foram apresentados por Bernardo Élis e José Mendonça Teles. Em correspondência ao autor, José J. Veiga diz que seus “poemas atingem um tom compatível ao de grandes nomes de nossa poesia”. Bibliografia: Corpungido, Goiânia: Universidade Católica de Goiás, 1982; A Sinfonia dos Peixes, Prêmio Bolsa de Publicações Hugo de Carvalho Ramos, Goiânia: Unigraf, 1982; Opus, Prêmio Secretaria da Cultura e Desporto de Goiás, Goiânia: Graf. O Popular, 1982; A Flauta do Cão Abigail, Prêmio Bolsa de Publicações Hugo de Carvalho Ramos, Goiânia: CERNE, 1984; Como Pássaros Suspensos no Jardim do Tempo, Prêmio Nacional de Poesia, Academia Goiana de Letras, Goiânia: Gráfica e Editora Líder, 1988; A Luz das Velas de Sebo, Prêmio Bolsa de Publicações Hugo de Carvalho Ramos, Goiânia: Secretaria de Cultura da Prefeitura de Goiânia, 1990; Queda & Ascensão, segundo a Visão dos Pássaros, Prêmio Bolsa de Publicações Hugo de Carvalho Ramos, Goiânia: Gráfica Print, 1991; Iluminada Ausência da Luz, Prêmio Bolsa de Publicações José Décio Filho, 1992 e prêmio Calandra. Goiânia, 1996; A Dor de Amar Demônios, contos. Prêmio Bolsa de Publicações Cora Coralina. Goiânia, 1997. (Fonte: Antônio Miranda)




EM LA BODEGA




E assim naquelas tardes de um aguaceiro
cobrindo as copas das árvores,
as calhas,
as chaminés,
o mundo,
eu me punha
(talhe o espelho na espuma do vento)
pensativo e a beber na Taberna dos Pífanos,
à baila das danças, na espera daquilo que mais
se parece com ânsia, que mais se parece com luz,
que mais se afeiçoa ao sol.
E assim, naquelas tardes,
sombras de corais
(e musgos)
doridos,
eu me atracada derruído,
tal barco naufragado no incabível soluço das ondas, às luminárias que à
boca da noite se tangiam foscas,
como as roscas (moscas?) na fonte da angústia,
feito aviso diviso em seu visgo,feito visgo indiviso no aviso.
Em La bodega,
donde públicas manos proclamavam
el aroma de lãs uvas y evocavam
a máscula e mácula máscara do dia,
u buscava, mirando o crepúsculo
derretido na tepidez das cinzas insalubres,
o pássaro — titã dourado no sussurro eólico
das vestes em alfaias —, que deveriam pousar,
a qualquer momento, no ríctus das horas
embebidas em gotas labiais.

Do passado uma sombra se me chegava (atarantada?)
como tarântula tramando, andando, na madrugada.
Uma sombra, e não mais que uma sombra,
mas uma sombra a mais, se me chegava,
me tocando o peito-piano,
num aquebranto gitano,
entre os vinhos esfumados no ar. INSUSTENTÁVEL TENTAÇÃO DE AMAR

Beija-me com os beijos de tua boca
Porque melhor é o teu amor
do que o vinho.





Imagem retirada da Internate - Sombra.