quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Pedro Tierra - Poema





Pedro Tierra





Pseudônimo de Hamilton Pereira, nasceu em Porto Nacional (TO), em 1948. Viveu em seminários e prisões. Por sua militância na Ação Libertadora Nacional (ALN), cumpriu cinco anos de prisão (1972/77) em Goiânia Brasília e São Paulo, sofrendo tortura. Libertado, contribuiu para fundar e organizar Sindicatos de Trabalhadores Rurais. É membro da diretoria executiva do PT desde 1987. Foi secretário de Cultura do Distrito Federal. Desde 2003 é presidente da Fundação Perseu Abramo. Militante informal do MST; participou da Comissão Pastoral da Terra (CPT). Bibliografia:Poemas do Povo da Noite, Menção Honrosa no Prêmio Casa de Las Américas, em 1977(Sigueme, Salamanca, Espanha, EMI, Milão, Itália, e Livramento, S. Paulo); Missa da Terra sem-males, em parceria com Pedro Casaldáliga e Martin Coplas (Livramento, Tempo e Presença, S. Paulo); Missa dos Quilombos, com Pedro Casaldáliga e Milton Nascimento (disco da EMI); Água de Rebelião (Vozes); Inventar o Fogo(Goiânia); Zeit der Widrikeiten , antologia (Edition DIÁ, Berlin); Dies Irae (Edição do autor, Goiânia, e MLAL, Roma, Itália).





RECONSTRUÇÃO




Ouvir pacientemente
a voz da terra.
Esta voz que ilude o lábio
e escapa,
entre dentes,
sincopada,
da garganta cerrada
do silêncio.

Ouvir a palavra dura,
a dor cuspida
coração afora,
a Esperança sepultada
coração adentro.

Não calar essa voz
essas mãos,
porque então a Terra
falará pela boca dos vulcões.

E não basta ouvir,
é preciso que a mão
golpeie o leme
e corrija o rumo
mar adentro,
terra adentro,
classe adentro,
raça adentro.


Puerto Cabezas, Nicarágua, XI/1981


In. Inventar o fogo. Pedro Tierra. Goiânia, 1985, p.16.
Imagem retirada da Internet Terra unida