sábado, 24 de outubro de 2009

Rainer Maria Rilke - Carta


SER OU NÃO SER POETA




Poeta da morte e da solidão e da vida interior, Rainer Maria Rilke (1875-1926) é uma das vozes líricas mais altas do nosso século. Embora tcheco de nascimento, teve educação germânica e escreveu toda a sua obra em Alemão. Viajou a maior parte da vida pelos países da Europa e pelo Norte da África. Seus poemas mais célebres figuram nas “Elegias de Duíno” e nos “Sonetos a Orfeu, sendo igualmente célebres as cartas que, entre 1903 e 1908, trocou com o poeta Kappus, que lhe pedira opinasse sobre uns versos que lhe enviava. Em vez de simplesmente opinar, Rilke preferiu desde logo explicar ao seu jovem correspondente o que entendia por verdadeira vocação poética. Tal é o tema admiravelmente desenvolvido na carta a seguir, a primeira das dez “Cartas a um Jovem Poeta”

José Paulo Paes



París, 17 de fevereiro de 1903.

Prezado Senhor:

Recebi sua carta faz alguns dias. Quero agradecer-lhe a grande e amável confiança que me testemunha, mas pouco mais posso fazer. Não quero entrar no mérito dos seus versos, pois todo intento de crítica está longe de mim. Nada mais ineficaz do que abordar uma obra de arte com palavras de crítica: daí resultam sempre equívocos mais ou menos felizes. Nem todas as coisas são tão compreensíveis e descritíveis quanto nos querem fazer crer. A maior parte dos acontecimentos é indizível: consumam-se eles num âmbito no qual jamais penetrou qualquer palavra; mais inefáveis ainda são as obras de arte, existências misteriosas cuja vida acompanha a nossa efêmera existência.

Feita esta advertência, posso tão somente aduzir que seus versos não revelam uma maneira sua; possuem apenas tímidos e recatados germes de personalidade. Percebo-o com muita clareza no último poema: “Minha Alma”. Nele, algo que é peculiar ao senhor procura encontrar letra e música. E no formoso poema “A Leopardi” se acentua, ao que parece, uma espécie de afinidade com esse príncipe, esse solitário. Não obstante, os poemas ainda não são nada em si mesmos: falta-lhes independência; mesmo ao último, mesmo ao “A Leopardi”. A amável carta que os acompanha esclareceu-me acerca de algumas insuficiências que percebi ao ler seus versos; não posso, contudo, precisá-las.

Pergunta-me o senhor se os seus versos são bons. Pergunta-o a mim. Antes o perguntou a outros. Envia-os a revistas. Compara-os com outros poemas e se inquieta quando certas redações rejeitam seus tentamens. Já que me permitiu aconselhá-lo, rogo-lhe que doravante deixe tudo isso de parte. O senhor tem os olhos voltados para o exterior, e isso é o que, em particular, não deveria fazer agora. Ninguém pode aconselhar nem ajudar; ninguém. Há um único meio: volte-se para si próprio. Investigue a causa que o impele a escrever; verifique se ela estende raízes até às profundezas do seu coração. Confesse-se: morreria se estivesse proibido de escrever? Antes do mais, na hora mais serena da noite, pergunte a si próprio: “Devo escrever?” Mergulhe no seu íntimo em busca da resposta profunda; se ela for afirmativa, se puder responder a essa grave pergunta com um vigoroso e singelo “devo”, construa então sua vida em função dessa necessidade. Sua existência, mesmo na mais insignificante e indiferente das horas, tem de ser signo e testemunho desse impulso. Aproxime-se depois da Natureza. Trate então de exprimir, como se fosse o primeiro homem do mundo, o que vê e experimenta, o que ama e perde. Não escreva poemas de amor; evite sobretudo as formas demasiado comuns e usadiças: são mais difíceis, pois é necessário força e maturidade para exprimir-se com originalidade ali onde existam tradições firmadas e por vezes brilhantes. Por isso, fuja dos motivos gerais, encaminhando-se para aqueles que sua própria vida cotidiana lhe oferece; exprima as suas tristezas e desejos, os pensamentos que lhe ocorram, a sua fé em alguma forma de beleza...Diga tudo isso com a mais profunda, serena e humilde sinceridade, e utilize, para expressar-se, as coisas que o circundam, as imagens dos seus sonhos e os temas de suas recordações.

Continua amanhã



In. Grandes Cartas da História. Org.: José Paulo Paes. São Paulo: Cultrix, 1969, p.190-192.

Imagem: Rainer Maria Rilke