quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Manoel de Barros - Poema




Dando prosseguimento à poesia de Manoel de Barros, continuaremos com alguns poemas do Livro das Ignorãças. Boa Leitura!







I



No tratado das Grandezas do Ínfimo estava escrito:



Poesia é quando a tarde está competente para dálias.
É quando
Ao lado de um pardal o dia dorme antes.
Quando o homem faz sua primeira lagartixa.
É quando um trevo assume a noite
E um sapo engole auroras.




V



Formigas carregadeiras entram em casa de bunda.







VI



As coisas que não têm nome são mais pronunciadas por crianças.







VII


No descomeço era o verbo.
Só depois é que veio o delírio do verbo.
O delírio do verbo estava no começo, lá
onde a criança diz: Eu escuto a cor dos
passarinhos.
A criança não sabe que o verbo escutar não
funciona para cor, mas para som.
Então se a criança muda a função de um
verbo, ele delira.
E pois.
Em poesia que é voz de poeta, que é a voz
de fazer nascimentos -
O verbo tem que pegar delírio.





In. Livro da Ignorãças. Manoel de Barros. 3ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1984, p. 15-17.