segunda-feira, 25 de maio de 2009

POR UM SONO


Francisco Perna Filho

 



 





 

O pássaro pousa no sonho

um cantar de prata,

e a densa plumagem que o abriga

é de um verde inacabado,

de um amarelo rubro,

de presumida ferida.

O homem que sonha o pássaro,

aos olhos do pássaro,

é um gigante e,

por um instante,

parece tocá-lo com um grito.

O pássaro sonhado carrega

nas asas muitas pedras,

perseguições

e desencantos,

por estar preso ao sonho,

a um visgo tão ilusório quanto a sua existência.

O homem ainda é um menino

e acostumou-se a sonhar pássaros

para aprisioná-los nos seus poemas.


Fonte da imagem: http://ipt.olhares.com/data/big/262/2625793.jpg